Ativistas na Rússia querem por fim à homofobia. Saiba como ajudar

homofobia_crime_largeImagine combinar um encontro pela internet e descobrir que você caiu em uma armadilha de uma gangue de homofóbicos, que tiram sua roupa, agridem você com socos e pontapés, fazem você beber urina e te abandonam em um cemitério, onde eles te ameaçam de morte.

Essa cena é real e está acontecendo com cada vez mais frequência na Rússia. Gangues homofóbicas filmam esses ataques e postam os vídeos na internet para assustar jovens. A polícia finge que não vê, porque as novas leis do país deixam claro que ser gay faz de você um cidadão de segunda classe.

Dentro da Rússia, ainda há pessoas e organizações comprometidas a enfrentar essas leis e defender lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans. Mas elas têm enfrentado frequentes ataques, multas e censura. Nós podemos ajudar se nos unirmos: se milhares de nós fizer uma pequena contribuição nos próximos 7 dias, podemos arrecadar até 100 mil dólares – um apoio fundamental na luta contra a violência e a repressão na Rússia.

Para fazer sua colaboração, é só clicar AQUI. A primeira metade de cada doação será usada para ajudar diretamente ativistas na Rússia a garantir que as gangues homofóbicas respondam por seus ataques, além de dar a ajuda necessária a jovens LGBT em busca de apoio. O restante será usado para permitir que a All Out continue aumentando a pressão internacional sobre o presidente Vladimir Putin e as lideranças de outros países.

Juntos, podemos mudar o rumo das coisas. Mas precisamos levantar esses recursos o mais rápido possível. Os defensores dos direitos humanos na Rússia precisam de ajuda urgente, já que os ataques estão ficando cada vez piores. Se milhares de nós fizer uma contribuição, podemos, por exemplo, ajudar a pagar as despesas de advogado para pessoas como Dmitry, um jovem ativista que saiu às ruas com uma placa dizendo “matar gays é crime” e foi agredido e entregue à polícia pelos próprios pais. Podemos até mesmo ajudar a financiar grupos de apoio online para jovens LGBT que não têm a quem recorrer.

Mais de 370 mil pessoas já assinaram a petição contra a perseguição à comunidade LGBT na Rússia. E, na semana passada, milhares saíram às ruas em 34 cidades – de Buenos Aires a Budapeste – para se manifestar contra as leis homofóbicas que estão alimentando essa brutal onda de violência.

Como resultado direto da pressão global, o primeiro-ministro britânico David Cameron concordou em discutir as leis homofóbicas cara-a-cara com o presidente Vladimir Putin. A representante da All Out em Londres se reuniu com a equipe do primeiro-ministro para assessorá-los. Putin já está sentindo a pressão. Ele acaba de anunciar que está disposto a se encontrar com ativistas LGBT na Rússia.

Não importa o valor da sua doação ou em que moeda você doa, qualquer contribuição faz muita diferença.

Veja também!...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>