Balé Nacional do Uruguai faz duas apresentações em São Paulo

Por Rafael Ventuna*

O Ballet Nacional Sodre (BNS), do Uruguai, se apresenta nesta sexta e sábado (dias 6 e 7), às 21h, no Auditório Ibirapuera. Quatro coreografias vão compor um programa que vai do clássico ao contemporâneo. A companhia, que é dirigida pelo argentino Julio Bocca, faz uma rápida turnê pelo Brasil, passando por Salvador, Rio de Janeiro e Curitiba.

Cena da montagem Without Words (Divulgação)

Cena da montagem Without Words (Divulgação)

No palco, o BNS vai apresentar Sinfonietta, uma obra de 1978, que transita entre o balé moderno e contemporâneo, coreografada pelo tcheco Jiří Kylián, criada originalmente para o Nederlands Dans Theater, tendo como base a trilha de seu conterrâneo e compositor Leoš Janáček.

Para demonstrar um pouco do que tem no seu repertório clássico, será dançado pelo BNS um pas-de-deux de O Corsário, baseado na versão mais famosa, a de Marius Petipa, datada de 1858. Inspirada no poema de Lord Byron, a narrativa do balé trata da libertação de moçoilas do harém de um paxá por Conrado, o destemido corsário. Porém, a coreografia trazida ao Brasil é assinada por Anna-Marie Holmes, com a assistência de José Martin. O trecho escolhido é a fuga dos amantes.

As apresentações acontecem nos dias 6 e 7 de setembro, no Auditório Ibirapuera (Divulgação)

As apresentações acontecem nos dias 6 e 7 de setembro, no Auditório Ibirapuera (Divulgação)

O estilo contemporâneo terá vez pela criação de Nacho Duato. O coreógrafo espanhol construiu sua partitura coreográfica para falar de amor e morte sobre a partitura musical de Franz Schubert. Without Words é uma peça de 1998 criada para o American Ballet Theatre e já remontada pelo russo Mikhailovsky Ballet e pelo alemão Staatsballett Berlin.

A noite ainda terá espaço para homenagear o centenário de A Sagração da Primavera, com a exibição da releitura de 1968 do argentino Oscar Araiz. A “Sagração” foi coreografada em 1913 por Vaslav Nijinsky com música de Igor Stravinsky, sob direção de Sergei Diaghilev, para a companhia Ballets Russes.

O BNS é uma das companhias mais antigas da América Latina, tendo sido fundada em 1935. Hoje é um dos corpos estáveis do Auditorio Nacional Adela Reta, em Montevidéu, e é também a principal referência uruguaia para a dança.

*Rafael Ventuna é jornalista e crítico, com especialização em Economia e Gestão de Bens Culturais pela Fundação Getúlio Vargas. É também pesquisador de Dança Contemporânea Brasileira.

Divulgação

Divulgação

Serviço:

Sinfonietta, O Corsário (Pax-de-deux), Without Words e A Sagração da Primavera – Ballet Nacional Sodre
Auditório Ibirapuera
Parque do Ibirapuera
De 6 a 7 de setembro
Sexta e sábado, às 21h
R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
90 minutos
Livre

Veja também!...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>