Francisco Carlos inicia residência artística na SP Escola de Teatro

Os encontros são gratuitos e abertos ao público (Reprodução)

Os encontros são gratuitos e abertos ao público (Reprodução)

A SP Escola de Teatro abre suas portas para mais uma residência artística. Depois da Cia. Balagan, da professora e diretora Maria Thais; do Grupo Pândega, da atriz e diretora Maria Alice Vergueiro; da trupe portuguesa Teatro do Vestido; e da Pantera Cia. de Teatro, da atriz, dramaturga e diretora Fernanda D’Umbra, agora chegou a vez de o dramaturgo e encenador amazonense Francisco Carlos, radicado em São Paulo, dar início à sua ocupação na Escola.

A iniciativa é fruto de uma parceria entre a SP Escola Teatro, a Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária/USP e o Instituto de Psicologia/USP. O projeto, que segue até o final de março de 2014, compreende um ciclo de seis conferências e a própria residência, que servirá como base para a montagem de uma peça teatral, intitulada Sonata fantasma bandeirante, que será apresentada em duas partes: Spaghetti paulista e São Paulo-Chicago, com a participação de aprendizes da Escola.

As conferências, cujos diálogos pretendem compor o mosaico intertextual e desconstrutivo que caracteriza a poética cênico-teórica de Francisco Carlos, começam nesta segunda-feira (dia 9), às 19h30, com a Profª. Drª. Ingrid Koudela, que falará sobre o tema Vultos fantasmagóricos na poética teatral de Heiner Müller, e com o ator, pesquisador e professor Hércules Morais, que ao lado de outros atores, como Fernanda D’Umbra e Majeca Angelucci, fará a leitura cênica da peça Vida de Gundling. Frederico de Prússia Sono Sonho Grito de Lessing, de Heiner Müller, uma tradução inédita de Ingrid Koudela.

As palestras continuam nos dias 14, 16, 23, 28 e 30 de setembro. Todas têm entrada gratuita e são abertas ao público, na Sede Roosevelt da SP Escola de Teatro.

Serviço:
Ciclo de Palestras: Dia 9 de setembro, das 19h30 às 22h30
Ingrid Koudela | Vultos Fantasmagóricos na Poética Teatral de Heiner Müller.

Hércules Morais | Leitura cênica da peça Vida de Gundling, Frederico da Prussia. Sono Sonho Grito de Lessing, de Heiner Müller. Com Hércules Morais, Majeca Angelucci, Ondina Claiss Castilho, Fernanda D’Umbra, Daniel Morozetti, Thiago Brito, Paulo Gaeta, André Hendges.

Dia 14 de setembro, das 12h30 às 14h30
Katia Maria Abud | O bandeirante como representação da entidade paulista e o bandeirismo de apresamento e escravização indígena. Do seiscentos (século 17) à Chicago – SP do século 20. Símbolos e críticas.

Emerson Oliveira | Ensino da história e cultura indígena em todas as escolas do Brasil, segundo o ponto de vista dos índios.

Dia 16 de setembro, das 19h30 às 22h30
Spensy Pimentel | A palavra-ação sagrada: a voz política e os movimentos coletivos Guarani. Cosmopolítica indígena.

Eloisa Leão | Performance vocal.

Dia 23 de setembro, das 19h30 às 22h30
Maria Inês Ladeira | Territórios, terra, mundo, espaço, migrações (mobilidade), míticas e o modo de ser Guarani.

Clissia Morais | Direção de arte em cinema e teatro indígena.

Dia 28 de setembro, das 12h30 às 14h30
Peter Pál Pelbart | Pensamentos e poéticas nômades e migrantes.

Dia 30 de setembro, das 19h30 às 22h30
Gianni Puzzo e Melina Bertholdo |Exibição do filme “Yvy Rupa – a terra é uma só! Visões Guarani da história da América”, de Jera Guarani e Gianni Puzzo, seguido por debate com os autores.

SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt
Praça Roosevelt, 210 – Consolação, tel. 3775-8600
Grátis.

Veja também!...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>