Jornalista brasileiro é demitido após chamar torcedores gremistas de “bichinhas frangas”

Flávio Gomes (Reprodução)

Flávio Gomes (Reprodução)

Enquanto nos Estados Unidos o jornalista Craig James é demitido por ter feito um discurso homofóbico no passado, o cenário esportivo brasileiro também vive situação semelhante. Trata-se da demissão do jornalista Flávio Gomes, da ESPN Brasil, que se envolveu em uma polêmica com torcedores do Grêmio no último fim de semana.

No sábado, o Grêmio jogava contra a Portuguesa, time do coração do jornalista, quando o juiz marcou um pênalti duvidoso à equipe gaúcha. Revoltado, Flávio Gomes começou a disparar comentários agressivos para a torcida do Grêmio em seu perfil no Twitter. “Juiz vagabundo, timinho escroto desde 1903. São muitos machos no Sul, mas adoram dar a bunda”, escreveu.

Em seguida, o jornalista afirmou que torcedores gremistas são “bichinhas frangas”. “Bichinhas gremistas todas loucas na TL. Ui, frangas. Vão ser passadas no espeto hoje”, afirmou. Em outra discussão, Gomes disparou: “Tá triste? Enfia a bomba do chimarrão no rabo q melhora”.

Indignados, torcedores gremistas começaram a protestar nas redes sociais contra a postura do jornalista. No dia seguinte, o presidente do Grêmio, Fábio Koff, divulgou nota de repúdio ao episódio. “É revoltante e inaceitável que profissionais da imprensa brasileira possam, sem apontar nenhuma evidência, por mera criação fantasiosa, colocar em dúvida a honestidade e idoneidade do clube, dos seus profissionais, de seu presidente e dos demais dirigentes, do povo gaúcho, bem como da Confederação Brasileira de Futebol e de sua Comissão de Arbitragem”, alegou Koff.

Frente à repercussão, a ESPN resolveu demitir o jornalista. O diretor de Jornalismo e Programação do canal no Brasil, João Palomino, afirmou que “as opiniões de Flávio Gomes não refletem em nada o pensamento dos Canais ESPN” e que “existe orientação interna para o bom uso das redes sociais”. “Medidas internas já estão sendo tomadas para prevenir que outros episódios como esse aconteçam”, declarou Palomino em nota.

twitte_interna

Em sua defesa, o jornalista diz que se arrepende dos comentários. “Teve uma consequência grave para mim. Se eu soubesse que perderia o emprego por isso, não teria escrito nada. Mas do ponto de vista pessoal, não me arrependo de ir ao Twitter e brincar com o futebol”, afirmou o comentarista em entrevista. “Eu lamento que a brincadeira no futebol corra risco de acabar por conta dessas reações. Já fiz várias brincadeiras que foram muito bem recebidas”, completou.

Nas redes sociais a discussão ainda continua. Muitos consideram injusta a postura da ESPN em demitir o jornalista que usou sua conta pessoal no Twitter para disparar os comentários, classificados como homofóbicos. E você, concorda com a posição da emissora?

Veja também!...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>