Casa das Caldeiras apresenta mostra gratuita com artistas do programa de residência Obras em Construção

Todos os anos, a Associação Cultural Casa das Caldeiras, seleciona projetos que tenham algum tipo de relação com o patrimônio para participar do programa Obras em Construção. Para apresentar o resultado desta grande ocupação, a Casa das Caldeiras apresenta a mostra Tempo Forte, momento em que os artistas residentes apresentam a obra, processo, pesquisa e propõem um olhar sobre temas propõe reflexões sobre a arte e o processo de criação. Uma experiência, uma aproximação e um convite ao público para encontrar-se com os artistas e suas inquietações, que pode ser conferida entre os dias 3 e 6 de setembro.

O projeto, que atualmente tem patrocínio do Ministério da Cultura, Ald Automotive e Banco Barclays, busca incentivar a produção independente, a pesquisa e os processos criativos, abrigando grupos, coletivos e portadores de projetos, das mais variadas expressões artísticas.

Divulgação

Divulgação

Para esta edição, a associação prepara uma grande movimentação artística que inclui quatro artistas chineses (DingHao, Zhang Wei, YuGao e Li Zhanyang) que acabam de chegar na cidade para realizar a sua residência artística nas Caldeiras, em uma parceria firmada com a Beijing 2102 Art Center e a ACCC – WALKING BRICS, além dos diversos projetos que já iniciaram a ocupação desde o início do ano, que prometem agradar e instigar diversos tipos de público.

A artista plástica e educadora Carmem Munhoz, apresenta Mergulho em Águas Plácidas onde propõe uma pesquisa poética entre a fluidez da pintura aquarela, os limites físicos e as relações sócio culturais de pessoas com deficiência. Encarando a pintura como uma forma acessível de arte, a artista propõe ações de pintura e oficinas pensadas para pessoas com deficiência, que estimulam a participação interativa em uma seção aberta e coletiva de Pintura-Dança-Movimento, com assessoria de artistas-terapeutas.

Carolina Sudati, apresenta a performance Noiva estudos para o concurso I, que explora o arquétipo da noiva, passando pelo amor e pelos contratos sociais, através de um estudo cênico de manipulação de roupas e do espaço. Sob a direção de Alexandre Paulain, o Coletivo P.A.Y. (Picanha After Yoga) apresenta Faca Lâmina, obra de dança livremente inspirada no poema Uma faca só lâmina, de João Cabral de Melo Neto.

Carolina Sudati (Foto: Marcello Vitorino/Divulgação)

Carolina Sudati (Foto: Marcello Vitorino/Divulgação)

Dudu Quintanilha apresenta o projeto Ingovernáveis, onde propõe um trabalho de performances gravadas em vídeo, que serão projetados durante o evento. A partir de espaços e contextos alternativos, com corpos com e sem formação artística, o artista investiga relações e encontros, e usa a performance como pretexto para que os experimentos sejam realizados. Para o evento, Dudu preparou vídeos com dois indivíduos, frequentadores de algumas Casas de Acolhida. Um deles propôs uma visita a um hotel na Cracolândia, que acabou sendo registrada para este trabalho.

O bailarino e coreógrafo Marcus Moreno, apresenta A Flor da Lua, um espetáculo de dança sensível e poético, que como o próprio nome diz, faz referência a esta espécie de flor pouco conhecida, que nasce em um cacto, desabrocha e dura apenas uma noite, exalando um perfume intenso, movimentando constantemente suas pétalas, que se abrem a caminho do encerro.

Marcelo Bressanin e Pedro Ricco, do DUO B, apresentam Volátil, uma instalação sonora resultado das primeiras experiências realizadas pelos artistas que vem pesquisando as características acústicas do edifício Casa das Caldeiras e se apropriando do espaço como uma ferramenta analógica/arquitetônica para edição de áudio.

Mariana Molinos e Felipe Teixeira apresentam Underneath, um estudo para uma Dança-Instalação que dialoga com a noção de permanência, continuidade e “superação de obstáculos” impostos pelo exercício da própria vida. A movimentação vai gradativamente revelando novos ambientes, convidando o expectador a adentrar-se e surpreender-se.

Obra de Maurício Cardoso (Divulgação)

Obra de Maurício Cardoso (Divulgação)

Com o projeto Imagem Latente, o fotógrafo e artista visual Marcelo Fontana trabalha com manipulação e sobreposição de imagens. Coletando materiais ou ideias, tanto no trajeto, quanto no próprio local da residência, o artista Maurício Cardoso utiliza o espaço da Casa das Caldeiras como laboratório, para dar vida ao seu projeto Caminhos Formais, Estéticos e Simbólicos. Ressignificando elementos, interagindo com os trabalhos dos outros residentes e com o próprio território, o artista apresenta um projeto que acontece no âmbito da Arte Conceitual.

O Vulcão, formado por Vanessa Bruno, Livia Vilela, Rita Grillo, Elisa Volpato e Paulo Salvetti, apresenta Pulso, um espetáculo solo inspirado num dos ícones da Poesia Confessional norte-americana dos anos 50, Sylvia Plath, que foi criado a partir de 2 anos de pesquisa, sendo um deles na Casa das Caldeiras, dentro do Programa Obras em Construção. A peça escolhe como situação cênica o último dia de vida da poetisa para revelar, em tom confessional – característica determinante da literatura da autora, memórias e devaneios de alguns dos momentos mais importantes de sua vida.

 

Serviço:

Mostra Tempo Forte
Casa das Caldeiras
Avenida Francisco Matarazzo, 2000, Água Branca, tel. 11 3873-6696
3 de setembro, das 15h às 20h / 4 e 5 de setembro, das 15h às 21h / 6 de setembro, das 11h às 19h
Grátis

Veja também!...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>