Balé da Cidade faz temporada com bailarinos travestidos e momento para selfies

O Balé da Cidade de São Paulo – principal companhia de dança contemporânea da capital paulista – está correndo atrás de algo muito precioso: se atualizar a temas, problemáticas e estéticas da maior cidade do Brasil. E, para sua primeira temporada de 2017 no Theatro Municipal, pretende introduzir algumas, por assim dizer, “novidades”.

Foto: Arthur Costa (Divulgação)

Foto: Arthur Costa (Divulgação)

Uma dessas novidades é sem dúvida a assinatura inconfundível de seu novo diretor artístico, o bailarino e coreógrafo paulistano Ismael Ivo. Dono de um currículo louvável e de uma carreira de destaque no exterior, é – dentre uma infinidade de títulos – conselheiro artístico do festival austríaco ImPulsTanz e do projeto transnacional Biblioteca do Corpo.

Dança em “Risco”
Enquanto a recém empossada administração do prefeito João Doria vive dias conturbados pela mobilização da categoria da dança, que pede em abaixo assinado a demissão de Lara Pinheiro, assessora de dança da Secretaria Municipal de Cultura, e a publicação de novo chamamento para o edital do Fomento à Dança, Ivo não se constrange em tocar temas sensíveis aos paulistanos.

Assim, surge a temporada temática Corpo Cidade e o convite para que Sergio Ferrara, reconhecido pela sua atuação no teatro, conduza a estreia da companhia oficial de dança, uma vez que a Prefeitura de São Paulo é quem mantém o Theatro e o Balé. A provocação não para por aí.

Há uma tentativa de trazer para o debate a polêmica sobre o graffiti – incitada pela atitude do atual prefeito que ordenou no início de seu mandato o apagamento de desenhos em muros da capital para viabilizar o seu projeto de “cidade linda”. Daí, nasce o título da peça Risco, assinada por Ferrara.

Pauliceia desvairada
Ainda sob a justificativa da necessidade de colocar diferentes vozes e opiniões para dialogarem a cidade e suas questões, Ivo revisita a Antropofagia, proposta por artistas do Modernismo brasileiro na década de 1920 e que teve como palco, o próprio Theatro Municipal, no manisfesto que ficou conhecido como Semana de Arte Moderna ou Semana de 22. Há exatos 95 anos. O eixo temático Corpo Antropofágico deve nortear todo o calendário de temporadas do Balé em 2017.

Os tais “corpos antropofágicos” que circulam pela Pauliceia também estarão representados na proposta andrógena da caracterização. Que traz o elenco masculino vestindo saias, bijuterias, unhas postiças e maquiagem nada sutil. Uma espécie de recriação do universo Rua Augusta, né naum?

Na “arriscada” estreia, a Orquesta Sinfônica Municipal, sob regência de Luis Gustavo Petri, interpreta partituras do inglês Gustav Holst (1874-1934) e do italiano Ottorino Respighi (1879-1936).

Estrelas ao alcance
Reserve fôlego para a reapresentação de Adastra! Concebida em 2015 pelo espanhol Cayetano Soto, a peça é uma alusão à jornada pessoal em busca de objetivos. Este caminho “até as estrelas” – do latim, ad astra – tem a apropriadíssima tensão sonora de músicas do compositor italiano Ezio Bosso, compiladas pelo próprio coreógrafo Soto, que também assina figurinos e projeto de luz.

Para encerrar a programação que “promete”, o Balé da Cidade reapresentará trechos das peças para que o público possa filmar e fotografar com seus celulares. E, claro, satisfazer o insaciável apetite dos tiradores de selfies! O momento já tem até uma hashtag própria: #BisNoMunicipal. Antes, vale conferir se as baterias terão carga suficiente e torcer para que o 4G funcione.

Ah! Por último e não menos importante, a julgar pelas temporadas anteriores de ingressos esgotados, é bom se apressar à bilheteria física ou on line para garantir a sua entrada. E verifique as condições elegíveis à meia entrada.


Corpo Cidade
Adastra, de Cayetano Soto
Risco, de Sergio Ferrara
Balé da Cidade de São Paulo
Orquestra Sinfônica Municipal
24 de março a 1º de abril
Quarta, 16h*
Quintas, sextas e sábados, 20h
Domingo, 17h
Theatro Municipal de São Paulo
R$ 35 a R$ 100
*R$ 20 (preço único)
14 anos
120 minutos (aproximadamente)

Veja também!...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>