Mostra de Cinemas Africanos

14 a 20/07

  • Na Sala Lima Barreto
  • Verifique a classificação indicativa de cada filme
  • Retirada de ingressos 1h antes na bilheteria 
  • É recomendado o uso de máscara 

Único festival no Brasil exclusivamente dedicado aos cinemas africanos contemporâneos, a Mostra de Cinemas Africanos foi idealizada e tem curadoria de Ana Camila Esteves (Brasil) e Beatriz Leal Riesco (Espanha). Desde 2018 a Mostra reúne filmes de curta e de longa-metragem das cinematografias africanas contemporâneas, muitos inéditos no Brasil. 

O recorte curatorial atende à demanda por proporcionar espaços de exibição no Brasil de filmes recentes produzidos na África e sua diáspora nos últimos cinco anos, bem como promove o contato do público com as estéticas e narrativas presentes nesta cinematografia ainda muito desconhecida do público brasileiro. 

Em onze edições já realizadas a Mostra exibiu filmes dirigidos por cineastas de países como Senegal, Sudão, Etiópia, Uganda, Ruanda, África do Sul, Nigéria, Burkina Faso, Quênia, Tunísia, Argélia, Marrocos e Egito, entre muitos outros, além de produções em territórios afrodiaspóricos como França e Cuba, protagonizadas por sujeitos africanos e afrodescendentes. Os filmes variam entre ficção e documentário e oferecem uma chance rara ao público brasileiro de criar repertório sobre uma cinematografia vibrante e diversa em temáticas, paisagens e estéticas. 

As curadoras acompanham as trajetórias dos filmes africanos nos mais importantes festivais de cinema do mundo, como Cannes, Berlinale, Toronto, Veneza, Rotterdam e Fespaco (este o maior festival de cinemas africanos na África, em Burkina Faso), e trazem para o Brasil os títulos de maior interesse que estiveram em exibição ou em competição. 

Confira abaixo a programação e as sinopses dos filmes!

PROGRAMAÇÃO 

14/07

16h00 A Esposa do Coveiro

18h00 Contos da cidade acidental

20h00 Você morrerá aos 20

15/07

16h00 Keteke

18h00 Falando sobre árvores

20h00 Wallay

16/07

16h00 SESSÃO DE CURTAS 01: Fragmentos da história: singularidades e conjunções

18h00 Apenas um movimento

20h00 Samba Traoré

17/07

16h00 SESSÃO DE CURTAS 02: Fragmentos do porvir: aqui nos encontramos

18h00 Otiti

20h00 Lingui

18/07

16h00 SESSÃO DE CURTAS ANGOLANOS 01 

18h00 Esposas em suspenso

20h00 Mandabi

19/07

16h00 SESSÃO DE CURTAS ANGOLANOS 02

18h00 Dentro da casa

20h00 Um conto de amor e desejo

20/07

16h00 SESSÃO DE CURTAS ANGOLANOS 03 

18h00 Nós, estudantes!

20h00 Cabo de Guerra

SINOPSES

A ESPOSA DO COVEIRO, de Khadar Ayderus Ahmed

La Femme du fossoyeur, França/Somália, 2021, 83 min, DCP, 14 anos

Com Yasmin Warsame, Omar Abdi, Khadar Abdoul-Aziz Ibrahim

Na cidade de Djibuti, no Chifre da África, Guled (Omar Abdi) está entre um grupo de homens que ganham a vida enterrando os corpos que são entregues a um hospital local. Quando sua amada esposa Nasra (Yasmin Warsame) contrai uma infecção nos rins, o casal se vê em apuros, pois um transplante está financeiramente fora de alcance. A pragmática Nasra resolve aproveitar seus dias restantes com o marido e o filho, mas Guled não pode deixá-la ir – e ele resolve fazer a única coisa ao seu alcance para salvá-la de seu destino. Uma ode poética ao vínculo inabalável que o casal compartilha, A Esposa do Coveiro encontra grande beleza na tristeza e nos grandes gestos e momentos de ternura entre duas pessoas profundamente apaixonadas.

CONTOS DA CIDADE ACIDENTAL, de Maimouna Jallow

Tales of the Accidental City, Quênia, 2021, 54 min, DCP, livre

Com Wakio Mzenge, Eddy Kimani, Mercy Mutisya, Tana Kioko

Neste filme bem-humorado e mordaz, uma equipe heterogênea de moradores de Nairóbi se reúne via Zoom para uma aula de controle de raiva exigida pelo tribunal. Diana, Jacinda, Louis Njoroge e Sarah Obama devem explicar como chegaram lá e, com a ajuda de seu terapeuta peculiar, encontrar uma maneira de curar suas feridas. À medida que trocam histórias, questões mais profundas de classe, desigualdade e injustiças sociais sofridas por muitos habitantes urbanos africanos vêm à tona.

VOCÊ MORRERÁ AOS 20, de Amjad Abu Alala

Tu Morras à 20 ans, Sudão, 2019, 103 min, DCP, livre

Com Mustafa Shehata, Islam Mubarak, Mahmoud Elsaraj

Depois que um xeque previu para sua mãe, logo após seu nascimento, que ele morreria aos vinte e poucos anos, Muzamil, de 19 anos, deve lidar com todos os eventos e mudanças usuais da transição de jovem para adulto. Mas como alguém se prepara para uma idade adulta que, segundo a profecia, não chegará, ao mesmo tempo que seu povo e sua família se preparam para seu funeral? O diretor Amjad Abu Alala explora essa questão neste cativante filme sudanês.

KETEKE, de Peter Sedufia

Gana, 2017, 70 min, digital, livre

Com Adjetey Anang, Lydia Forson, Fred Amugi

O filme conta uma história focada no sistema de serviço ferroviário dos anos 1980 no Gana. Um casal, Boi e Atswei, que vivem em Puna, está empenhado em dar à luz seu primeiro bebê em Akete, sua cidade natal. Muito perto do parto, o casal perde o trem, único meio de transporte da periferia para a cidade. Na pressa de chegar lá, eles agravam sua situação com uma decisão errada e se encontram no meio do nada. Agora, o casal chegará a tempo para o parto ou corre o risco de perder o bebê e a mãe?

FALANDO SOBRE AS ÁRVORES, de Suhaib Gasmelbari

Talking about Trees, França/Sudão, 2019, 93 min, digital, livre

Com Ibrahim  Shaddad, Manar Al Hilo, Suleiman  Ibrahim

Ibrahim, Manar, Suleiman e Altayeb, quatro membros veteranos do Sudanese Film Club, embarcam em uma jornada na qual pretendem reviver o cinema antigo para trazer a cultura cinematográfica de volta ao seu país. No país em crise, os quatro amigos encontram uma resistência insuperável.

WALLAY, de Berni Goldblat

França/Burkina Faso/Catar, 2017, 84 min, digital, livre

Com Makan Nathan Diarra, Ibrahim Koma, Hamadoun Kassogué

Um menino de 13 anos é enviado de sua casa na França para viver com a família do pai em uma zona rural de Burkina Faso.

APENAS UM MOVIMENTO, de Vincent Meessen

Juste une Mouvement, Bélgica/França, 2021, 110 min, DCP, Livre

Com Dialo Blondin Diop, Ousman Blondin Diop, Marie Thérèse Diedhiou

No Senegal, o nome de Omar Blondin Diop está associado a um crime de Estado impune. Na França, ele ficou principalmente na história como um ativista marxista em “La Chinoise”, uma ficção de antecipação política de Jean-Luc Godard. Hoje em Dakar, seus irmãos e amigos se lembram dele enquanto a juventude local joga seu próprio destino sob o presente imperfeito da China-África.

SAMBA TRAORÉ, de Idrissa Ouedraogo

Burkina Faso, 1992, 85 min, digital, livre

Com Sangare Bakary, Mariam Kaba, Abdoulaye Komboudri

Depois de cometer um assalto em que seu parceiro é morto, Samba retorna à sua aldeia na esperança de esquecer seu passado. Ele conhece uma antiga paixão, Saratou, e se estabelece com ela e seu filho. No entanto, suas memórias ameaçam destruir sua felicidade recém-descoberta. Como em seu trabalho anterior, a narrativa de Ouedraogo tem uma qualidade mágica, mas aqui os personagens e o cenário são completamente modernos.

OTITI, de Ema Edosio

Nigéria, 2022, 90 min, DCP, 14 anos

Com Gina Castle, Charles Etubiebi, Rachel Emem Isaac

Uma costureira com problemas de compromisso enfrenta forte oposição de seus meio-irmãos quando decide cuidar do pai doente que a abandonou quando criança. Ela é involuntariamente arrastada para uma intensa disputa familiar onde ela tem que lutar para salvar a vida de seu pai de seus filhos e familiares gananciosos e desprivilegiados, que estão determinados a deixá-lo morrer para que possam assumir sua riqueza.

LINGUI, de Mahamat-Saleh Haroun

França/Chade/Alemanha, 2021, 87 min, DCP, 14 anos

Nos arredores da capital N’djamena, a decidida mãe solto Amina (Achouackh Abakar Souleyman) trabalha incansavelmente para sustentar a si mesma e sua filha de 15 anos, Maria (Rihane Khalil Alio). Sua existência já precária é abalada quando Amina descobre que Maria está grávida e não quer ter o bebê. Abandonada por sua própria família com uma adolescente grávida, Amina está determinada a garantir outro destino para sua filha. Juntas, as duas mulheres começam a buscar a opção do aborto, condenado tanto pela religião quanto pela lei. Lutando para obter esse procedimento simples, mas inacessível, elas navegam por uma rede patriarcal de médicos, parentes e vizinhos. Através desta jornada, mãe e filha criam uma conexão mais forte do que qualquer outra que já conheceram.

ESPOSA EM SUSPENSO, de Merieme Addou

Femmes Suspendues, Marrocos/França/Catar, 2021, 73 min, DCP, livre

Com Ghita, Latifa e Saadia

O filme acompanha três mulheres que foram abandonadas por seus maridos – Ghita, Latifa e Karima – e sua longa luta pelo divórcio. Depois de anos de espera, eles decidem recorrer aos tribunais de suas regiões. O procedimento se mostra não apenas longo, mas também absurdo, pois as mulheres têm que provar primeiro que seus maridos estão ausentes.

MANDABI, de  Ousmane Sembène

França/Senegal, 1968, 90 min, DCP, livre

Com Makhouredia Gueye, Ynousse N’Diaye, Isseu Niang

Filmado principalmente em wolof, este segundo longa de Ousmane Sembène foi o primeiro feito em língua africana – um passo importante para a realização do sonho do cineasta senegalês de criar um cinema por, sobre e para os habitantes de seu continente natal. Após o desempregado Ibrahima Dieng receber uma ordem de pagamento de 25.000 francos de um sobrinho que trabalha em Paris, a notícia de sua sorte inesperada se espalha rapidamente entre seus vizinhos, que o procuram em busca de empréstimos, mesmo quando suas tentativas de descontar o pedido são frustradas em um labirinto de burocracia. obstáculos, e novos problemas chovem sobre sua cabeça. Um dos filmes mais engraçados e indignantes de Sembène, Mandabi – uma adaptação de uma novela do próprio diretor – é uma representação amargamente irônica de uma sociedade marcada pelo colonialismo e atormentada pela corrupção, ganância e pobreza.

DENTRO DA CASA, Karima Saidi

Dans la Maison, Bélgica/França/Marrocos/Catar, 2020, 90 min, DCP, livre

Com Karima Saïdi, Aicha Saïdi

Após anos de separação, a cineasta renova o relacionamento com a mãe, Aïcha, agora com Alzheimer. De Bruxelas a Tânger, a odisseia de uma família marcada pelo exílio é evocada através da discrição e da confissão, da dor, da separação, do luto e da alegria.

UM CONTO DE AMOR E DESEJO, de Leyla Bouzid

Une histoire d’amour et de désir, França, 2021, 102 min, DCP, 16 anos

Com Sami Outalbali, Zbeida Belhajamor, Diong-Kéba Tacu

Ahmed é um jovem estudante francês de origem argelina. Ao ingressar no curso de literatura da Sorbonne, ele se torna o orgulho dos pais e a chacota dos colegas da periferia. Quando descobre em aula a literatura erótica árabe e conhece a sedutora Farah, uma garota tunisiana, ele será confrontado às origens magrebinas e terá seu primeiro contato com o amor, a paixão e o sexo.

NÓS, ESTUDANTES!, de Rafiki Fariala

Nous, Étudiants!, República Centro-Africana, 2022, 83 min, DCP, livre

Com Nestor Ngbandi Ngouyou, Aaron Koyasoukpengo, Benjamin Kongbo Sombot

Nestor, Aaron, Benjamin e Rafiki são estudantes de economia da Universidade de Bangui. Navegando entre as salas de aula superlotadas, os pequenos negócios que permitem que os alunos sobrevivam, o suborno à espreita por toda parte, Rafiki nos mostra como é a vida dos alunos na República Centro-Africana, uma sociedade destruída onde a juventude continua sonhando com um futuro melhor para seu país.

CABO DE GUERRA, de Amil Shivji 

Tug of War (Vuta N’Kuvute), Tanzânia/África do Sul/Alemanha/Catar, 2021, 93 min, DCP, livre

Com Ikhlas Gafur Vora, Gudrun Columbus Mwanyika, Siti Amina

Denge, um jovem combatente da liberdade, conhece Yasmin, uma mulher índia-zanzibar, no meio da noite, quando ela está a caminho de se casar. Paixão e revolução acontecem nesta história de amor político de amadurecimento ambientada nos anos finais da colônia britânica de Zanzibar. Um jovem revolucionário e uma noiva fugitiva lutam por liberdades proibidas, na adaptação de Amil Shivji do premiado romance suaíli de Adam Shafi, ambientado na década de 1950 em Zanzibar, onde uma paixão é fustigada pelas duras ondas do domínio britânico e pela luta militante local pela libertação.

Fonte: Centro Cultural

Créditos de todas as imagens: Centro Cultural

Deixe um comentário