Temporada Faces Ocultas Cia. de Dança

30/6, 01/07, 02 e 03/7 

  • Quinta, sexta e sábado às 21h. Domingo, às 20h
  • Na Sala Jardel Filho
  • Classificação Indicativa: livre
  • Grátis
  • Os ingressos estarão disponíveis para retirada na bilheteria uma hora antes da apresentação.

Ao longo de 24 anos, a Faces Ocultas Cia de Dança tornou-se uma referência para o interior paulista de produção artística e cultural, com sede na cidade de Salto. Com projetos que passam pela criação artística e se fortalecem na formação social, a Companhia foi fundada em 1997 pelo bailarino e coreógrafo Arilton Assunção. De lá para cá, o rigor técnico e a pesquisa em linguagens de danças (com ênfase nas danças contemporâneas) têm sido constantes em todas as suas concepções coreográficas.

A Faces Ocultas chega ao CCSP para apresentar 3 espetáculos distintos, cada qual centralizado em importantes figuras femininas – “Viver é melhor que sonhar” homenageia Elis Regina, “Frida” celebra Frida Khalo e “Moça Bonita” rememora Elza Soares.

Confira a sinopse de cada espetáculo após a programação! 

 

 PROGRAMAÇÃO

30/6, quinta-feira
21h: “Viver é melhor que sonhar”

1/7, sexta-feira
21h: “Frida”

2/7, sábado
21h: “Moça Bonita”

3/7, domingo
20h: “Moça Bonita”

 

SINOPSES E FICHA TÉCNICA

“Viver é melhor que sonhar”

A música popular brasileira utilizada nas aulas de contemporâneo fez surgir esta homenagem a uma das mais belas vozes do país: Elis Regina. O espetáculo apresenta coreografias que são embaladas pelas músicas desta grande cantora.

Diretor artístico e geral: Arilton Assunção | Coreógrafo: Arilton Assunção | Ensaiador: Adriano Amaral | Figurino: Rute Silva | Trilha Sonora: Elis Regina
Duração: 60 minutos.

“Frida”

O espetáculo se inspira livremente no livro “O Segredo de Frida Khalo”, de Francisco Haghenbeck, para apresentar a história da artista mexicana sob a ótica de sua sensibilidade, suas fraquezas, suas inseguranças e seu anseio em continuar com sua arte – até que as dores e as dificuldades da protagonista transbordem as alegrias de sua vida. 

Diretor artístico e geral: Arilton Assunção | Coreógrafa: Poliane Fogaça | Ensaiador: Dhavaine Bonfim e Poliane Fogaça | Trilha Sonora: Músicas mexicanas
Duração: 75 minutos.

“Moça Bonita”
O trabalho coreográfico traz momentos da história de Elza Soares, com a intenção não apenas de homenageá-la, mas de “ecoar” o combate ao racismo, feminicídio e tantas outras barbáries. As coreografias de dança contemporânea rabiscam etapas da sua vida, permeando canções como: Maria da Vila Matilde, A Carne, Mulher do fim do mundo, Juízo final e Guri.

Estruturada em coreografias de grupos, solos, duos e trios, a obra trará em cena um elenco de bailarinos profissionais com carreira já estabelecida e com vivência sobre a obra de Elza Soares.

Diretor artístico e geral: Arilton Assunção | Coreógrafo: Arilton Assunção | Ensaiador: Poliane Fogaça | Figurino: Elaine Rocha e Almira Souza | Trilha Sonora: Elza Soares
Duração: 55 minutos.

Fonte: Centro Cultural

Créditos de todas as imagens: Centro Cultural

Deixe um comentário